16ª rodada da Premier League: confira o resumão dos jogos

Confira tudo que rolou na rodada que teve mudança no topo da tabela

16a rodada da premier league
A 16ª rodada da Premier League foi bem agitada e contou com grandes jogos no fim de semana. Confira o que rolou nas partidas do Campeonato Inglês.

Leia mais

As 10 piores contratações do Newcastle da era Premier League

Como um cachorro salvou o Manchester United da falência

Bournemouth 0x4 Liverpool

Salah foi eleito o Melhor Jogador da Partida contra o Bournemouth (Reprodução/Liverpool)

O Liverpool foi até Bournemouth golear o time da cidade. 

Jurgen Klopp utilizou pela primeira vez Fabinho e Keita juntos no time titular. Os dois jogadores foram contratados esta temporada, mas ainda não haviam se encaixado no esquema dos Reds. 

O brasileiro foi o grande responsável em parar os contra-ataques. Sem Callum Wilson, machucado, o Bournemouth perdeu muito da sua jogada característica. 

Sofrendo pouco atrás e tendo a posse de bola na frente, o Liverpool marcou aos 25 minutos. Após boa finalização de Roberto Firmino, o goleiro espalmou e a bola sobrou para Salah marcar.  

O jogo ainda teve mais três gols no segundo tempo. Aos três minutos, Salah recebeu bom passe de Firmino e ampliour. Aos 23, Steve Cook marcou contra, de letra. 

Com o Liverpool dominando a partida, Salah tinha mais liberdade. O egípcio conseguiu marcar o seu terceiro gol na partida – aliás, uma pintura.

Ficha Técnica:

Bournemouth: Begovic; Francis, Cook, Aké e Daniels (Diego Rico, 83′); Lerma, Surman, Brooks(Mousset, 65′) e Stanislas (Mings, 83′); Fraser e King. Técnico: Eddie Howe.

Liverpool: Alisson; Milner, Matip, van Dijk e Robertson; Shaqiri (Mané, 65′), Fabinho, Wijinaldum e Keita (Lallana, 65′); Firmino (Henderson, 81′) e Salah. Técnico: Jurgen Klopp.

Arsenal 1×0 Huddersfield Town

Foto: Reprodução/Arsenal FC

O jogo começou com o Huddersfield tentando subir a marcação e pressionando a saída de jogo. 

Com o passar do tempo, o Arsenal começou a estabelecer o domínio das trocas de passes, mas não superava a barreira do Huddersfield.

O Arsenal chegou a marcar aos 41, mas não valeu: Lacazette fez após erro de Zanka, mas a arbitragem deu impedimento no desvio de Aubameyang para o francês. 

O primeiro tempo terminou com muita reclamação dos mandantes, que tiveram os três zagueiros (Sokratis, Mustafi e Lichtsteiner) e Xhaka amarelados. Sokratis e Mustafi, inclusive, estão suspensos para o próximo jogo.

Unai Emery colocou Mkhitaryan e Iwobi após o intervalo, mas a barreira do Huddersfield continuava impenetrável. O relógio foi se tornando inimigo e o Arsenal não conseguia criar uma chance realmente clara. Até que aos 38, Aubameyang aproveitou a sobra de cruzamento de Guendouzi e jogou na boca do gol. Livre, Torreira apareceu e emendou um lindo voleio para desafogar os Gunners e abrir o placar.

No Mesmo com um jogo fraco tecnicamente e sofrendo mais que o necessário, os Gunners estenderam sua sequência de jogos invictos na temporada: agora são 21.

Ficha Técnica:

Arsenal: Leno; Sokratis, Mustafi (Monreal 66’), Lichtsteiner (Iwobi 45’); Bellerín, Xhaka, Torreira, Guendouzi, Kolasinac; Aubameyang, Lacazaette (Mkhitaryan 45’). Técnico: Unai Emery.

Huddersfield: Lössl; Smith (Hadergjonaj 60’), Kongolo, Löwe, Zanka, Schindler; Hogg (Bacuna 52’), Mooy, Williams (Durm 70’), Pritchard; Depoitre. Técnico: David Wagner.

Próximos Jogos:

Arsenal: vs. Qarabag, no Emirates Stadium, dia 13/12, às 18h (Uefa Europa League); vs. Southampton, no St-Mary's Stadium, dia 16/12, às 11h30 (Premier League)

Huddersfield: vs. Newcastle, no John Smith’s Stadium, dia 15/12, às 13h (Premier League)

Burnley 1×0 Brighton

Foto: Reprodução/Burnley FC

O jogo começou sem grandes emoções e muito travado no meio de campo. Mesmo jogando fora de casa, o Brighton conseguia até trocar bons passes, mas sem objetividade.

O primeiro tempo foi se desenrolando e o Burnley começou a se soltar. Apesar de não criar oportunidades claríssimas, foi chegando nas investidas de Brady, Barnes e Wood. Estes três criaram as primeiras grandes chances dos minutos iniciais. O gol era questão de tempo.

E ele veio aos 39: após cruzamento na área, Mee desviou, Lössl saiu mal e Cork fuzilou na sobra. A bola desviou em Tarkowski e entrou (o gol foi creditado para este último).

O segundo tempo começou tão amarrado quanto o primeiro. O Burnley segurava o placar, enquanto o Brighton, sem grande força ofensiva, não conseguia partir para cima. Chris Hughton tentou mudar a situação colocando Locadia e Murray para jogo, mas as mudanças não surtiram efeito.

Especialmente a partir dos 30min, os visitantes foram para o tudo ou nada. Mas o Burnley se segurou até os 50 do segundo tempo e saiu com a vitória.

O triunfo jogou os Clarets para fora da zona de rebaixamento, com 12pts em 17º. Já os Seagulls estacionaram nos 21pts e ficam na 11ª colocação.

Ficha Técnica:

Burnley: Hart; Taylor, Tarkowski, Mee, Bardsley; Cork, Gudmundsson (Lennon 72’), Brady, Westwood; Barnes (Hendrick 85’), Wood. Técnico: Sean Dyche.

Brighton: Ryan; Bruno, Dunk, Balogun, Bernardo; Bissouma, Knockaert (Locadia 63’), Grossl (Stephens 79’), March, Pröpper; Andone (Murray 63’). Técnico: Chris Hughton.

Próximos Jogos:

Burnley: vs. Tottenham, no Wembley, dia 15/12, às 13h (Premier League)

Brighton: vs. Chelsea, no Amex Stadium, dia 16/12, às 11h30 (Premier League)

Cardiff 1×0 Southampton

(Reuters)

Mesmo jogando fora de casa, foram os Saints que tiveram mais posse no primeiro tempo (57% x 43%). Entretanto, as jogadas mais perigosas eram do Cardiff, acontecendo através de contra-ataques puxados por Nathaniel Mendez-Laing e bolas paradas.

Aos 20 minutos, Josh Murphy aproveitou a sobra da roubada de Callum Paterson contra Jan Bednarek e saiu cara a cara contra o goleiro Alex McCarthy, mas perdeu grande chance de abrir o placar.

No segundo tempo, houve reclamação de pênalti de Murphy em Stuart Armstrong, mas o árbitro nada marcou.

Aos 74, o gol aconteceu como era previsto, ou quase isso. Contra-ataque do Cardiff e enfiada de Victor Camarasa para Paterson, mas a bola ficava mais para Jannick Vestergaard. Este falhou bisonhamente e deixou o atacante do Cardiff tranquilo para marcar.

Callum Paterson marcando após falha de Vestergaard (Reuters)

O Southampton buscou o empate até o final, mas sem muita criatividade. Nem a entrada de Manolo Gabbiadini melhorou. No fim, com o resultado o Cardiff vai à 14ª posição, enquanto os Saints permanecem na 19ª.

Ficha técnica

Cardiff: Etheridge; Ecuele-Manga, Morrison, Bamba, Bennett; Gunnarsson, Arter (Ralls 90′), Camarasa; Mendez-Laing (Hoilett 60′), Murphy (Harris 85′) e Paterson. Técnico: Neil Warnock

Southampton: McCarthy; Valery (Stephens 46′), Vestergaard, Bednarek, Targett; Romeu (Ward-Prowse 80′), Hojbjerg, Lemina; Redmond, Armstrong e Austin (Gabbiadini 75′). Técnico: Ralph Hasenhüttl

Próximos Jogos

Cardiff: Watford, em Vicarage Road, dia 15/12 às 13h

Southampton: Arsenal, em Saint Mary's, dia 16/12 às 11h30

Manchester United 4 x 1 Fulham

Lukaku encerrou sua seca de gols no Old Trafford (Foto: Getty)

Em uma ótima atuação no primeiro tempo, o Manchester United conseguiu uma tranquila vitória contra o lanterna Fulham, que ainda teve a expulsão do meia Anguissa logo após a equipe londrina conseguir diminuir o placar.

O primeiro gol veio logo aos 13 minutos da etapa inicial, quando Ashley Young recebeu de Rashford, passou por Odoi e chutou no ângulo do goleiro Sergio Rico e marcou um belo gol para os Red Devils.

A pressão da equipe de José Mourinho continuou e aos 28, Juan Mata recebeu um bom passe de Rashford. O espanhol só teve o trabalho de empurrar para as redes.

Ainda no primeiro tempo, Mata agora desempenhou o papel de garçom para Lukaku, que encerrou um longo jejum de gols no Old Trafford para ampliar para o Manchester United.

Na etapa final, o Fulham tentou uma reação imediata ao colocar os atacantes Kamara e Vietto nos lugares de Mitrovic e Cairney. O próprio Kamara buscou comandar uma reação após sofrer um pênalti e converter para o clube londrino.

A expulsão de Anguissa prejudicou os comandados de Claudio Ranieri que buscaram se lançar ao ataque e abriu muito espaço para os Red Devils no contra-ataque.

Com isso, Rashford deu números finais ao jogo e liquidou qualquer possibilidade de reação do Fulham.

Ficha Técnica:

Manchester United: De Gea, Dalot, Smalling (Rojo 58’), Jones, Young; Ander Herrera, Matic, Mata, Lingard (Fred 73’), Rashford (McTominay 84’); Lukaku.

Fulham: Sergio Rico, Odoi, Mawson, Ream, Bryan; Seri, Anguissa, Schurrle (Cisse 73’) Cairney (Vietto 45’), Sessegnon; Mitrovic (Kamara 45’)

Próximos jogos:

Manchester United: Liverpool, em Anfield, no dia 16 de dezembro às 14h (Horário de Brasília)

Fulham: West Ham, em Craven Cottage, no dia 15 de dezembro às 15h (Horário de Brasília).

 

West Ham 3 x 2 Crystal Palace

Chicharito Hernandez comemora o gol da virada do West Ham (Foto: Getty)

O West Ham parece ter finalmente encontrado o grande futeboldo qual se esperava dos Hammers no início da temporada. Com a terceira vitória seguida, os comandados de Manuel Pellegrini seguem subindo na tabela da Premier League.

Os comandados de Roy Hodgson até saíram na frente após um cruzamento na área encontrar o zagueiro Tomkins que cabeceou nos pés de McArthur tocar na saída de Fabianski.

Com a entrada de Andy Carroll no intervalo, o West Ham tentou buscar a reação nas bolas aéreas.

Aos 48 minutos, a zaga do Crystal Palace afastou um destes ataques de bola áerea, mas ela acabou sobrando nos pés de Snodgrass, que acertou um belo chute de fora da área para empatar o jogo.

A virada veio nos pés de uma dupla que tem complicado as zagas adversárias nas últimas rodadas. Após cobrança de falta de Felipe Anderson parar nas mãos de Hennessey, Chicharito aproveitou o rebote para virar a partida para os Hammers.

O terceiro gol veio nos pés do brasileiro Felipe Anderson, que vive excelente fase no West Ham. O meia acertou um belo chute colocado que não deu chances para Hennessey.

O Crystal Palace só conseguiu descontar. Após cruzamento de Meyer, Schlupp mandou a bola para o fundo das redes e deu números finais ao confronto londrino.

Ficha técnica:

West Ham: Fabianski, Zabaleta, Balbuena, Diop, Masuaku; Noble, Rice, Snodgrass, Felipe Anderson (Obiang 84’); Lucas Perez (Carroll 45’), Chicharito (Diangana 75’)

Crystal Palace: Hennessey, Wan-Bissaka, Tomkins, Sakho, van Aanholt (Schlupp 55’) ; Kouyaté, Milivojevic, McArthur (Ayew 66’) , Meyer (Puncheon 84’); Townsend, Zaha

Próximos jogos:

West Ham: Fulham, em Craven Cottage, no dia 15 de Dezembroas 15h30(Horário de Brasília).

Crystal Palace: Leicester, em Selhurst Park, no dia 15 deDezembro as 13h (Horário de Brasília).

Chelsea 2×0 Manchester City

David Luiz foi bem atrás e na frente (Reuters)

O clássico da rodada embolou o campeonato na parte de cima. Os dois times que mais trocam passes na Premier League protagonizaram um grande duelo no Stamford Bridge.

As duas equipes entraram em campo sem camisas 9, o que proporcionou muita movimentação ofensiva. Sérgio Agüero estava machucado, Gabriel Jesus e Olivier Giroud no banco, e Álvaro Morata não foi nem relacionado.

Quem dominou a primeira etapa foi o Manchester City. Muita pressão e chances criadas (e perdidas) por Raheem Sterling e Leroy Sané.

Entretanto, quem saiu na frente foi o Chelsea. Eden Hazard, que tinha dado apenas 3 toques na bola em 30 minutos de partida, apareceu num contra-ataque iniciado por David Luiz e assistiu N'Golo Kanté na entrada da área.

De primeira e com muita força, o francês abriu o placar aos 45. O gol saiu na primeira e única finalização do Chelsea no primeiro tempo. Na volta do intervalo, os Blues estavam mais organizados e equilibraram as ações do jogo.

Willian e Kyle Walker exigiram defesas dos goleiros Ederson e Kepa em cobranças de falta, enquanto Pep Guardiola lançava Jesus no lugar de Sané.

O ritmo do City não era o mesmo do primeiro tempo. Quem aproveitou foi David Luiz que, de cabeça após cobrança de escanteio de Hazard, deu números finais à partida aos 74.

Guardiola sofreu sua primeira derrota na Premier League 18/19 (Reuters)

Primeira derrota dos Citizens no campeonato e agora ficam na segunda colocação da liga. Já o Chelsea se recuperou da derrota para o Wolverhampton e está em terceiro.

Ficha técnica

Chelsea: Kepa; Azpilicueta, Rüdiger, David Luiz, Alonso; Jorginho, Kanté, Kovacic (Barkley 65′); Willian (Loftus-Cheek 75′), Pedro e Hazard (Giroud 90′). Técnico: Maurizio Sarri.

Manchester City: Ederson; Walker, Laporte, Stones, Delph; Fernandinho, Silva (Gündogan 68′), Bernardo; Sané (Jesus 52′), Mahrez (Foden 84′) e Sterling. Técnico: Josep Guardiola.

Próximos jogos

Chelsea: Brighton, em Amex Stadium, dia 16/12 às 11h30.

Manchester City: Everton, em Etihad Stadium, dia 15/12 às 10h30.

Leicester 0x2 Tottenham

Jogando em casa e defendendo uma invencibilidade de 6 jogos no campeonato, o Leicester criou as primeiras oportunidades no ataque.

Porém, no decorrer da primeira etapa, o Tottenham equilibrou. Apostando na troca de passes e pressionando a equipe da casa no campo de defesa, foram os Spurs que tiveram as melhores chances de gol.

A primeira etapa caminhava para o fim com as equipes empatadas até Son acertar um lindo chute colocado no ângulo de Schemeichel, deixando o Tottenham à frente do placar ao final da primeira etapa.

Na volta para o segundo tempo o Tottenham seguiu pressionando, não demorando para aumentar sua vantagem.

Aos 13 minutos, Son deu um belo passe pelo alto e Dele Alli, aproveitando-se da falha da marcação dos Foxes, fez de cabeça o segundo gol da equipe de Londres.

O coreano Son foi o melhor jogador em campo. Créditos: Getty Images

Com a vitória o Tottenham está agora a 6 pontos do Liverpool, o novo líder do campeonato.

Ficha Técnica:

Leicester: Schemeichel, Pereira,Morgan, Evans, Chilwell, Mendy (Okazaki 79’), Iborra (Albrighton 56’), Ndidi, Gray, Maddison, Iheanacho (Ghezzal 56’). Técnico: Claude Puel

Tottenham: Lloris, Aurier (Walker-Peters 78’), Alderweireld, Vertonghen, Davies, Dier, Winks, Sissoko, Son (Kane 74’), Alli, Lucas (Eriksen 67’). Técnico: Mauricio Pochettino

Próximos jogos:

Leicester: Crystal Palace, em Selhurst Park, dia 15/12, às 13h

Tottenham: Barcelona, em Camp nou, dia 11/12 às 18h e Burnley, em Wembley, dia 15/12, às 13h

Newcastle 1×2 Wolverhampton

No dia do seu aniversário de 126 anos, o Newcastle saiu de campo sem motivos para comemorar.

A primeira etapa da partida foi bastante movimentada, com ambas as equipes partindo para cima buscando sair em vantagem.

Quem conseguiu o primeiro gol foram o Wolverhampton. Após falha da defesa, Diogo Jota surgiu livre nas costas do zagueiro Lascelles, tirando o primeiro zero do placar.

Mesmo com o gol sofrido o time da casa não se abateu e se lançou ao ataque em busca do empate. 

Na volta para o intervalo, a situação complicou para o Newcastle. O lateral Yedlin foi expulso após errar um passe e obstruir com falta uma chance clara de gol para os visitantes.

Doherty foi o carrasco do Newcastle ao marcar o gol da vitória nos instantes finais do jogo. Crédito: Wolverhampton – Facebook

No entanto, mesmo com dez jogadores em campo, a equipe da casa conseguia suportar a pressão do adversário e se arriscava em raros contra-ataques.

A virada do Newcastle poderia ter vindo no pênalti sofrido por Ayoze, não marcado pelo árbitro.

O castigo para o clube aniversariante veio nos instantes finais do jogo após grande defesa de Dúbravka, a bola sobrar para Doherty fazer o gol da vitória dos Wolves.

Ficha Técnica:

Newcastle: Dúbravka, Lascelles, Fernandez (Manquillo 46’), Clark, Yedlin, Diamé, Ki, Atsu (Kenedy 89’), Ritchie, Pérez, Rondon (Joselu 86’).

Wolverhampton: Rui Patrício, Boly, Coady, Bennett, Vinagre, Neves, Saïs (Jiménez 60’), Doherty, Jota, Costa (Moutinho 76’) e Traoré (Gibbs-White 60’).

Próximos jogos:

Newcastle: Huddersfield, em John Smith’s, dia 15/12 às 13h

Wolverhampton: Bournemouth, em Molineux, dia 15/12 às 13h

Everton 2x 2 Watford

Foto: Daily Star

O jogo começou com os donos da casa tomando a iniciativa da partida. E, logo aos 15 minutos, André Gomes fez uma bela jogada e cruzou para Richarlison abrir o placar. Foi o oitavo gol do brasileiro na competição.

A primeira etapa terminou com o Everton melhor no jogo, mas sem conseguir as chances e ampliar o placar. 

E foOs visitantes passaram a dominar a partida e, aos 17 minutos empataram o jogo. Deulofeu cruza, Pereyra chutou, a bola bateu na trave e na volta bateu no Coleman e entrou. Gol contra do lateral do Everton.

Dois minutos depois Deulofeu fez outro cruzamento e Doucuré virou o jogo. A partir daí, o Everton se desorganizou em campo, principalmente com as mudanças do técnico Marco Silva. A equipe teve sua melhor chance nos pés de Sigurdsson, mas o meia desperdiçou o pênalti.

Quando tudo parecia perdido para os donos da casa, eis que nos acréscimos surge uma falta perto da meia lua. Digne bate e deixa tudo igual!

Com o resultado, o Everton perdeu a chance de se firmar de vez na sexta colocação. Pelo lado do Watford, à equipe desperdiçou uma vitória que ajudaria a se distanciar ainda mais da zona do rebaixamento.

Ficha técnica

Everton: Pickford; Coleman, Keane, Mina e Digne; Gueye (Tosun) e André Gomes; Walcott (Calvert Lewin) , Sigurdsson e Bernard (Baines); Richarlison. Técnico: Marco Silva

Watford: Foster; Kiko, Kabasele, Cathcart e Holebas; Doucuré e Domingos Quiná (Mariappa) , Sema (Deulofeu) e Pereyra; Sucess (Chalobah) e Deeney. Técnico: Javi Gracia

Próximos jogos

Everton: visita o Manchester City, dia 15, às 10h30

Watford: recebe o Cardiff, dia 15, às 13h