12ª rodada da WSL: confira o resumo dos jogos da Women’s Super League

Confira os principais momentos da 12ª rodada da WSL!

Chelsea Bethany England FA WSL Womens Super League Dan Ististene Getty Images
Dan Ististene Getty Images

Começou o segundo turno da Women's Super League! E o fim de semana teve de tudo: goleada, vitórias das líderes, jogo decidido no último minuto, outra partida adiada e muito mais. Confira o resumo da 12ª rodada da WSL!

Manchester City 3×1 Everton

No primeiro jogo da 12ª rodada da WSL, o Manchester City conseguiu uma vitória tranquila e importante para continuar na caça à líderança do campeonato. As Blues receberam o Everton no Academy Stadium e saíram vencedoras por 3 a 1.

O confronto foi o primeiro desde o anúncio da saída de Nick Cushing do comando do clube de Manchester. O treinador, após seis anos nos Citizens, parte para um novo desafio profissional em fevereiro: será assistente técnico no New York City, da Major League Soccer (MLS), nos Estados Unidos.

A partida entre as duas equipes começou movimentada, e quem teve a primeira chance foram as visitantes. Aos cinco minutos, a atacante Hannah Cain chutou e Ellie Roebuck espalmou a bola, que pegou na trave. Logo depois, o time da casa passou a dominar e o gol não demorou a sair.

Aos 18 minutos, em jogada pelo lado esquerdo, Lauren Hemp ganhou uma jogada e passou a bola para Caroline Weir. Ela enxergou Pauline Bremer, que empurrou para as redes: Manchester City a 1 a 0.

O segundo tempo veio e logo o City aumentou o placar, mais uma vez com Bremer. Em erro de saída de bola da equipe do Everton, Hemp acionou a atacante mais uma vez. Pauline girou e acertou a bola no canto esquerdo de Tinja-Riikka Korpela, marcando um lindo gol. A alemã ainda quase marcou um hat-trick minutos depois – em cruzamento pelo lado direito, a artilheira virou uma linda bicicleta, mas acertou o travessão.

Aos 19 da segunda etapa, Weir cobrou falta na área do Everton e a zagueira Gemma Bonner aumentou o marcador para as Citizens: 3 a 0. No fim, as Toffees descontaram com gol contra da atacante Georgia Stanway. Em escanteio batido na área do Man City, a bola desviada pegou na atacante e entrou. Foi o último ato da vitória das Citizens por 3 a 1.

Ficha técnica:

Manchester City: Roebuck; Beckie, Houghton, Bonner, Stokes; Scott (Wullaert), Walsh, Weir, Hemp; Bremer (White), Stanway. Técnico: Nick Cushing.

Everton: Korpela; Hinds, van Es, George, Turner; Clemaron (Pike), Stringer, Boye-Hlorkah, Graham, Kaagman; Cain (Magill). Técnico: Willie Kirk.

Brighton 0x4 Arsenal

Depois de ver o rival Manchester City vencer no sábado, o Arsenal precisava ganhar no domingo para voltar a liderar a WSL de forma isolada. E não só venceu, como dominou o Brighton fora de casa de forma tranquila.

A vantagem começou a ser construída com apenas três minutos de jogo. Daniëlle van de Donk recebeu lançamento longo na esquerda, arrancou até a área e finalizou sem chances para Megan Walsh, marcando 1 a 0 para o time londrino.

As Gunners seguiam no controle total. Só no primeiro tempo tiveram 61% de posse de bola e dez finalizações, contra uma das Seagulls. A superioridade logo foi exposta novamente no placar. Aos 31 do primeiro tempo, Leah Williamson mandou um lindo lançamento da direita e Jill Roord ajeitou e finalizou firme, aumentando o marcador.

Veio o segundo tempo e o cenário do jogo não mudou. Tanto que logo aos sete minutos, as visitantes marcaram o terceiro gol: linda bola de van de Donk na esquerda para Jordan Nobbs, que invadiu a área e só concluiu para fazer o 3 a 0.

O tempo foi passando e o ritmo da partida caiu. Com a vitória praticamente em mãos, o Arsenal diminuiu o ímpeto e foi apenas controlando o jogo. Já o Brighton em um ou outro momento conseguia chegar, especialmente com Aileen Whelan e Kayleigh Green. Mas nada que assustasse para valer a goleira Manuela Zinsberger.

Aos 43, ainda deu tempo do quarto gol. Lia Wälti cruzou, Walsh não conseguiu segurar, Leonie Maier conseguiu se antecipar à goleira e adiantou para Beth Mead, com o gol aberto, complementar a goleada das visitantes.

Com a vitória por 4 a 0, as Gunners reassumiram a liderança isolada da WSL. Já as Seagulls perderam a chance de respirar na parte de baixo e seguem próximas da zona de rebaixamento.

Ficha técnica:

Brighton: Walsh; Barton, Kerkdijk, Williams, Gibbons; Simpkins (Connolly), Bowman, Le Garrec (Umotong), Whelan, Nildén (Natkiel); Green. Técnica: Hope Powell.

Arsenal: Zinsberger; Evans, Williamson (Maier), Schnaderbeck, Quinn; Little (Mead), Wälti, Nobbs (McCabe), Roord, van de Donk; Miedema. Técnico: Joe Montemurro.

Chelsea 6×1 Bristol City

O Chelsea é outro time que segue na perseguição das líderes da WSL. Nesta 12ª rodada, a equipe londrina não tomou conhecido do Bristol City e aplicou uma sonora goleada: 6 a 1.

As Blues começaram o jogo melhores, exercendo pressão e dominando as ações do jogo, mas foi o Bristol quem abriu o placar. Ebony Salmon finalizou de longe e, com perfeição, fez 1 a 0.

O gol fez com que o Chelsea partisse ainda mais ao ataque e, aos 28 minutos, Bethany England decretou a igualdade no placar, marcando de cabeça. Ainda no primeiro tempo, as mandantes passaram a ter grande vantagem: Hannah Blundell, Jessica Carter e Ji So-Yun deixaram o placar em 4 a 1.

Veio a segunda etapa e o Chelsea não tirou o pé. Logo aos cinco minutos, em boa jogada pelo lado esquerdo, Sam Kerr achou Guro Reiten que cruzou rasteiro pra Ji marcar novamente e anotar 5 a 1.

Depois da blitz, o Chelsea apenas controlou a partida. Coube a England dar números finais à partida, aos 37 do segundo tempo, em mais uma cabeçada. O jogo de número 200 de Emma Hayes pelo comando das londrinas terminou em sonora goleada: 6 a 1.

O Chelsea segue na terceira colocação, mas com um jogo a menos em relação a Arsenal e Manchester City. Já o Bristol City, na vice-lanterna, não conseguiu repetir o grande resultado diante do Manchester United e segue vendo o rebaixamento de perto (apenas a lanterna cai).

Ficha técnica:

Chelsea: Berger; Blundell, Bright, Ingle, Andersson; Carter, Spence (Kerr), Cuthbert (Bachmann), Ji Yo-Sun (Napier), Reiten; England. Técnica: Emma Hayes.

Bristol City: Baggaley; Dykes (Robinson), Matthews, Evans, Pattinson; Brown, Daniëls, Hughes, Chance, Sargeant; Salmon. Técnica: Tanya Oxtoby.

Tottenham 2×1 West Ham

Tottenham e West Ham fizeram um dérbi londrino emocionante no The Hive Stadium. Com os dois times marcando gols a partir dos 45 minutos do segundo tempo, o tento de Rianna Dean no estouro dos acréscimos deu a vitória para as Spurs.

A partida começou equilibrada, com as duas equipes fazendo um duelo igual. Até que aos 30 minutos do primeiro tempo, o Tottenham abriu o placar. Depois da cobrança de escanteio, a bola foi cortada para o meio e a zagueira Emma Mitchell, fazendo sua estreia após ser emprestada justamente pela rival Arsenal, marcou o primeiro gol.

O West Ham vinha de duas rodadas sem jogar por adiamentos – um por falta de condições de gramado contra o Bristol City e outro por uma crise de gripe que atingiu o elenco na semana do duelo contra o Everton. Por isso o time claramente sentia a falta de ritmo, e o Tottenham dominava, mesmo com a goleira Rebecca Spencer jogando parte da primeira etapa machucada (foi substituída no intervalo por Chloe Morgan).

As Spurs perdiam várias oportunidades. Umas por falta de pontaria, outras por boa atuação da goleira Courtney Brosnan. E o castigo final parecia vir aos 45 do segundo tempo, quando após a jogada das visitantes pela esquerda, Kenza Dali bateu rasteiro de direita para empatar.

As Hammers mostravam-se muito contentes com o empate. Mas a arbitragem assinalou nove minutos de acréscimo, e o Tottenham imprimiu pressão total. E aos 52 minutos, o cruzamento da esquerda encontrou a cabeça de Rianna Dean, que testou firme no ângulo e deu a vitória às Spurs, que comemoraram demais o resultado.

O triunfo por 2 a 1 colocou o Tottenham na quinta colocação, no bolo das equipes que completam a primeira metade da tabela. Já o West Ham estacionou no oitavo lugar e já vê a parte de baixo da tabela mais próxima.

Ficha técnica:

Tottenham: Spencer (Morgan); Neville, Godfrey, Filbey, Mitchell; Green, Percival, Graham (Quinn); Ayane, Davison, Dean. Técnicos: Karen Hills e Juan Amoros.

West Ham: Brosnan; Fisk, Kvamme, Flaherty, Vetterlein; Longhurst (Simic), Middag, Dali; Lehmann (Kiernan), Thomas, Leon (Galabadaarachchi). Técnico: Matt Beard.

Reading 1×0 Birmingham City

O Adam’s Park foi palco da partida entre Reading e Birmingham City. Os clubes vivem momentos opostos na WSL e esse fato ficou evidenciado no placar final da partida, mesmo que pelo acaso. As Royals conseguiram a vitória com o gol de Amalie Vevle Eikeland, ainda no primeiro tempo.

Apesar de estarem à frente na tabela e jogarem em casa, o Reading não impôs um futebol agressivo nos primeiros minutos. A redonda se encontrava, em grande parte dos momentos, no meio de campo com muitos passes e roubadas de bola. Se faltava ímpeto ofensivo das equipes, vontade em estar com a posse sobrava.

Foi em um desses momentos de disputa que Remi Allen acabou dando um chutão acidental para frente, com a bola quicando na entrada da área. Se o acaso ofereceu a oportunidade, Amalie Eikeland abraçou-a com todas as forças. A atacante do Reading transformou a casualidade em um gol de cobertura, que surpreendeu tanto por sua beleza quanto pela imprevisibilidade.

Na segunda etapa o duelo permaneceu bem semelhante ao 45 minutos iniciais. As Royals estava com um passo na frente, e não só pelo placar – terminaram a partida com 14 chutes contra quatro das adversárias. Porém, não conseguiram transformar as chances em gols e nem pressionavam perto da entrada da área.

Brooke Chaplen esteve bem quando em campo, sempre buscando jogadas pelas faixas laterais do campo. Fara Williams também teve importância na posse de bola das donas da casa (58%), mas vem tendo cada vez menos peso visível para a resolução final das jogadas. Já o Birmingham tem seus destaques no sistema defensivo, povoando bem o centro do campo – faltou consistência ofensiva para ao menos empatar a partida.

O Reading aproveitou o triunfo e o jogo adiado do Manchester United para assumir a quarta colocação e se consolidar na parte de cima da tabela. Já o Birmingham segue na antepenúltima colocação e precisa se cuidar para não ver o rebaixamento à vista.

Ficha técnica:

Reading: Laws; Pacheco (Jarding), Potter, Howard (Bartrip), Rowe; Vevle Eikeland, Allen, Moore, James; Williams, Chaplen (Utland). Técnica: Kelly Chambers.

Birmingham City: Hampton; Mayling (Simkin), Holloway, Scott, Jordan; Arthur, Staniforth, Grant (Visalli), Whipp, Walker; Williams. Técnica: Marta Tejedor.

Liverpool x Manchester United – ADIADO

Tivemos mais um confronto adiado nesta WSL. O jogo entre Liverpool e Manchester United, que seria realizado em Prenton Park, não aconteceu por conta do clima que deixou o gramado sem condições. Ainda não há uma nova data para a partida.

Leia mais: Conheça Kim Little, a pequena gigante capitã do Arsenal Women

Classificação após 12 rodadas:
1º – Arsenal: 33
2º – Manchester City: 30
3º – Chelsea: 29 (-1 jogo)
4º – Reading: 17 (-1 jogo)
5º – Tottenham: 16
6º – Manchester United: 15 (-2 jogos)
7º – Everton: 15 (-2 jogos)
8º – West Ham United: 10 (-2 jogos)
9º – Brighton and Hove Albion: 9
10º – Birmingham City: 7 (-2 jogos)
11º – Bristol City: 6 (-1 jogo)
12º – Liverpool: 3 (-1 jogo)

Próxima rodada (13ª de 22):

  • Birmingham City x Manchester City, 19/01
  • Manchester United x Tottenham, 19/01
  • Everton x Reading, 19/01
  • Arsenal x Chelsea, 19/01
  • West Ham x Brighton, 19/01
  • Bristol City x Liverpool, 19/01

Texto produzido por Eduardo Costa, Igor Martins, Leonardo Parrela e Lucas Bichão.