11ª rodada da WSL: confira o resumo dos jogos da Women’s Super League

Confira o que de melhor aconteceu na primeira rodada da WSL em 2020!

Chelsea Sam Kerr WSL Catherine Ivill Collection Getty Images Sport
Catherine Ivill Collection Getty Images Sport

A Women's Super League voltou! Depois do recesso da virada de ano, o Campeonato Inglês feminino retornou com muita emoção na última rodada do primeiro turno – e primeira de 2020. Confira o que de melhor aconteceu nos jogos da 11ª rodada da WSL!

Manchester United 0x1 Bristol City

O duelo entre Manchester United e Bristol City foi o primeiro da liga em 2020. E quem esperava um confronto tranquilo para as Red Devils (na quarta colocação do campeonato) contra as Robins (lanternas) na 11ª rodada da WSL, se enganou.

É bem verdade que jogando no Leigh Sports Village, a equipe da casa começou tomando a iniciativa da partida. Mas o Man United sofreu com a falta de pontaria e o ótimo dia da goleira Sophie Baggaley, com defesas importantes – a principal aos 10 minutos, salvando um cruzamento desviado de Leah Galton.

E aos 33, as lanternas abriram o placar. O gol foi todo da centroavante Ebony Salmon: ela recebeu recuada na esquerda, fez o pivô, passou como quis por Abbie McManus, entrou na área e finalizou sem chances para Mary Earps. Golaço para definir o 1 a 0 para o Bristol City no intervalo.

No segundo tempo, as mandantes começaram a buscar o gol, mas as visitantes se seguravam bem. O tempo foi passando e nada de reais ameaças. Até que, aos 33 minutos, uma chance incrível: Jackie Groenen recebeu livre e chutou para defesa de Baggaley, e, no rebote, com o gol aberto, Lizzie Arnold acertou o travessão.

A inacreditável chance perdida acordou o Man United, que se lançou com tudo ao ataque com pouco tempo para o fim. Primeiro, Hayley Ladd chutou de longe para outra grande defesa de Baggaley. Depois, a goleira contou com a sorte, quando a finalização de Ella Toone acertou a trave direita, já nos acréscimos.

Até os últimos instantes o Manchester United se esforçou, mas não deu. Fim de jogo, 1 a 0 e o Bristol City começa 2020 com o pé direito, saindo da zona de rebaixamento. Já o Man United perde a chance de se aproximar do grupo das líderes e estaciona nos 15 pontos.

Ficha técnica:

Manchester United: Earps; Amy Turner, McManus, Millie Turner, Harris; Ladd, Zelem (Toone), Hanson (Arnott), Groenen, Galton; James (Sigsworth). Técnica: Casey Stoney.

Bristol City: Baggaley; Dykes, Sargeant, Evans, Pattinson; Matthews, Wellings, Wilson (Hughes), Chance, Daniels; Salmon (Robinson). Técnica: Tanya Oxtoby.

Chelsea 3×1 Reading

Na estreia cheia de emoções de Sam Kerr pelo Chelsea, as Blues venceram o Reading por 3 a 1 no The Cherry Red Records Stadium. O triunfo foi construído a partir de uma reação que começou no gol de Bethany England, a atacante que mais uma vez foi destaque do time na WSL.

O início da caminhada de Kerr pelo Chelsea poderia ter sido mais tranquilo. Porém, a goleadora desperdiçou uma boa oportunidade ainda aos dois minutos de partida. Depois de ser lançada no meio da defesa do Reading, a australiana ficou frente a frente com a goleira Grace Monoley, mas chutou por cima. O erro inicial parecia que iria custar caro, quando aos 14 minutos, Fara Williams abriu o placar após ótimo pivô de Brooke Chaplen.

A falha de Kerr nos primeiros minutos de partida só não foi mais grave que a da defesa das Royals. As zagueiras não conseguiram impedir um lance em que a australiana esteve sozinha e Moloney teve de sair da área para impedir um possível gol. A goleira acabou por derrubar a adversária e foi expulsa aos 16 minutos.

Apostando em uma movimentação rápida e na infiltração pelo centro, o Chelsea buscava reverter o placar. O Reading até tentava manter a posse de bola, mas pouco agredia. Em uma de suas poucas subidas em bloco, acabou deixando espaços atrás, e foi neste instante que Kerr deu uma belíssima assistência para England marcar o 1 a 1.

O Chelsea veio a virar no segundo tempo. Rachael Laws, goleira que entrou no lugar da expulsa Chaplen, acabou espalmando para frente em um chute de Kerr. Aproveitando bem a oportunidade, Guro Reiten encobriu a adversária para o 2 a 1. Então, 10 minutos depois foi a vez de Erin Cuthbert desfrutar de um rebote e dar os números finais à partida.

Com a vitória por 3 a 1, o Chelsea segue na terceira colocação, mas com um ponto a menos que as líderes. Já o Reading fica nos 14 pontos e segue no meio da tabela.

Ficha Técnica:

Chelsea: Berger; Mjelde (Mjelde), Bright, Eriksson, Andersson; Ingle (Cuthbert), Spence; Kerr (Blundell), Yun Ji, Reiten; England. Técnica: Emma Hayes.

Reading: Moloney; Rowe, Howard, Potter, Pacheco; Eikeland, Moore, Allen, James (Farrow); Fara Williams (Harding), Chaplen (Laws). Técnica: Kelly Chambers.

Tottenham 1×4 Manchester City

Em briga direta com Arsenal e Chelsea pelo topo da tabela, o Manchester City visitou o Tottenham, que buscava se reabilitar após derrota para o Reading na rodada anterior.

Apesar de visitantes, as Citizens logo fizeram prevalecer a superioridade técnica. Aos dois minutos, Ellen White cruzou da direita e a alemã Pauline Bremer abriu o placar.

Três minutos depois, foi a vez de White deixar o seu, com assistência da canadense Janine Beckie. Acuadas em seu campo de defesa, as Spurs aos poucos foram se aventurando no campo de ataque e foram premiadas com uma penalidade máxima. Na marca dos 20 minutos, Rianna Dean cobrou com segurança e descontou: 2 a 1.

Mas a comemoração nas arquibancadas foi breve. Sete minutos depois do gol do Tottenham, Lauren Hemp cruzou rasteiro da esquerda e Bremer fuzilou de primeira, marcando seu segundo na partida: 3 a 1.

Aos 44 do primeiro tempo, as Citizens ainda conseguiram o quarto tento. Depois de rápida troca de passes na área, Hemp recebeu de White cara a cara e tocou na saída da goleira Beckie Spencer para fazer 4 a 1.

O ritmo do jogo diminuiu um pouco na segunda etapa. Demonstrando certa melhoria na parte defensiva, as donas da casa conseguiram diminuir as chances criadas pelas visitantes, mas não chegaram a incomodar muito no ataque. Ainda que com menos espaço na defesa adversária, as Citizens tiveram as melhores chances do segundo tempo.

Aos 33 minutos, a substituta Georgia Stanway invadiu a área e exigiu grande defesa da arqueira Spencer. Quatro minutos depois, Stanway teve mais duas oportunidades dentro da área – uma bloqueada pela zaga, outra defendida novamente por Spencer – mas não conseguiu ampliar a goleada. O placar do primeiro tempo se manteve até o apito final.

Ficha técnica:

Tottenham: Spencer; Neville, Godfrey, Filbey, Worm (Mitchell); Percival, Peplow (Quinn), Green; Graham (Ayanne), Dean, Davison. Técnicos: Karen Hills e Juan Amoros.

Manchester City: Roebuck; Beckie, Houghton, Bonner, Campbell (Stokes); Scott, Walsh, Weir, Hemp; White (Stanway), Bremer (Coombs). Técnico: Nick Cushing.

Arsenal 2×0 Birmingham City

O confronto entre Arsenal e Birmingham colocou frente a frente as líderes da competição e uma das equipes que briga contra o rebaixamento. As anfitriãs e favoritas não decepcionaram e, sem muito susto, garantiram a vitória por 2 a 0, se mantendo na liderança da tabela.

O Arsenal começou pressionando as adversárias e, logo aos nove minutos, Kim Little abriu o placar de cabeça, após cruzamento de Vivianne Miedema. As londrinas continuaram pressionando em busca de mais gols, enquanto as visitantes tinham dificuldade para ter a bola e criar jogadas.

A grande jogada da partida aconteceu no minuto 23, quando Leah Williamson lançou Jordan Nobbs. A meia saiu cara a cara e, com um toque por cima, encobriu a goleira adversária, marcando um golaço e dobrando a vantagem do Arsenal.

Pauline Peyraud-Magnin, a goleira do Arsenal, teve pouco trabalho. Foram apenas quatro chutes ao gol pelo Birmingham, e só a finalização de Claudia Walker ofereceu algum perigo. De resto, a arqueira foi mera espectadora de uma atuação muito segura da equipe líder da WSL.

O setor ofensivo do Arsenal continuou fazendo pressão e criando chances. Nobbs teve um gol anulado por impedimento, Miedema e Daniëlle van de Donk também tiveram suas oportunidades – ambas desperdiçadas.

No fim, o placar se manteve mesmo 2 a 0. O Arsenal dispara na liderança isolada da competição, enquanto o Birmingham está na antepenúltima posição e vê o rebaixamento de perto.

Ficha técnica:

Arsenal: Peyraud-Magnin; Williamson, Evans, Schnaderbeck, McCabe; Wälti, Little, Nobbs; van de Donk (Roord), Maier, Miedema. Técnico: Joe Montemurro.

Birmingham: Hampton; Scott, Arthur, Williams (Brown), Jordan; Grant (Mayling), Whipp (Scofield); Walker, Holloway, Simkin; Staniforth. Técnica: Marta Tejedor.

Brighton 1×0 Liverpool

Brighton e Liverpool prometiam uma muita luta no Broadfield Stadium. As equipes não vem fazendo grande campeonato (10ª e 11ª antes da rodada), mas precisavam muito dos pontos para fugirem da cola da zona de rebaixamento.

Jogando fora de casa, o Liverpool foi para cima e começou destinado a marcar. E quase conseguiu quando Rinsola Babajide teve uma ótima chance com o gol aberto, mas acabou mandando para fora. A oportunidade perdida custou caro.

Aos 33 minutos, em cruzamento longo da ponta esquerda, Maya Le Tissier desviou de cabeça para o meio da área. Haviam duas jogadoras do Brighton posicionadas, e Aileen Whelan foi quem conseguiu tocar para o fundo das redes, abrindo o placar.

No segundo tempo, as Reds se viram praticamente em obrigação de ao menos empatarem. Por isso, a técnica Vicky Jepson mandou a equipe para a frente. Babajide, Rachel Furness e Rebecca Jane tiveram suas oportunidades, mas nada sem perigo visível.

A melhor chance veio aos 28, quando Furness finalizou muito perto do gol, porém a bola passou perto da trave. Daí em diante as Seagulls não foram ameaçadas e o placar seguiu no 1 a 0 até o fim.

A vitória foi importantíssima para o Brighton, que se afasta da zona de rebaixamento. Já o Liverpool, com a vitória do Bristol City, retorna para a lanterna da WSL (lembrando que apenas a última colocada das 12 equipes cai para a segunda divisão).

West Ham x Everton – ADIADO

Mais uma vez, tivemos um jogo adiado nesta WSL. A partida entre West Ham e Everton, que fecharia a 11ª rodada, foi postergada por conta de uma crise de vírus da gripe que atingiu o elenco das Hammers. Ainda não há uma nova data para realização do jogo.

Classificação após dez rodadas:
1º – Arsenal: 30
2º – Manchester City: 27
3º – Chelsea: 26 (-1 jogo)
4º – Manchester United: 15 (-1 jogo)
5º – Everton: 15 (-2 jogos)
6º – Reading: 14 (-1 jogo)
7º – Tottenham: 13
8º – West Ham United: 10 (-2 jogos)
9º – Brighton and Hove Albion: 9
10º – Birmingham City: 7 (-2 jogos)
11º – Bristol City: 6 (-1 jogo)
12º – Liverpool: 3

Próxima rodada (12ª de 22):

  • Manchester City x Everton, 11/01
  • Liverpool x Manchester United, 12/01
  • Brighton x Arsenal, 12/01
  • Tottenham x West Ham, 12/01
  • Chelsea x Bristol City, 12/01
  • Reading x Birmingham, 12/01

Texto produzido por Eduardo Costa, Hugo L'Abbate, Leonardo Parrela e Lucas Bichão.