Uma das finais mais eletrizantes da Champions League aconteceu na partida entre Liverpool x Milan, em 2005.

Veja mais:

Dicionário do futebol inglês: Traduzimos 40 expressões para você entender melhor

Os dez jogadores mais mal pagos da Premier League (e que ganham muito mais do que você)

Os melhores filmes sobre futebol inglês

Em 25 de maio de 2005, o estádio Olímpico de Istambul, na Turquia, foi o palco onde o Liverpool protagonizou uma das maiores viradas do futebol mundial, contra um Milan recheado de craques, como Kaká, Shevchenko, Seedorf, entre outros.

Liverpool x Milan Champions
PA

Fases anteriores à final

O Liverpool começou a competição contra um time austríaco: o Grazer Ak, ainda nos playoffs. Os Reds ganharam o primeiro jogo na Áustria por 2 a 0, e depois perderam em Anfield por 1 a 0, alcançando, assim, a classificação para fase de grupos. Nela, o time de Rafa Benítez se classificou nos critérios de desempate, já que tinha a mesma pontuação que o Olimpiakos da Grécia, e o Monaco já havia se classificado como primeiro colocado no grupo.

O Milan pegou um dos grupos mais perigosos do torneio. Junto ao Barcelona, de Ronaldinho, eram os times que temiam uma zebra de Celtic-ESC e Shakhtar Donestk-UCR. Mas o time italiano conseguiu a classificação com certa facilidade, sendo o líder do grupo.

Nas fases seguintes, os dois clubes tiveram dificuldades contra grandes times do mundo. No clássico de Milão, por exemplo, o Milan derrotou a Inter por 5 a 0 no agregado das quartas de final e, depois de bater o PSV no gol qualificado na semi, conseguiu a vaga à final na Turquia. O Liverpool penou, mas, com garra, derrotou Juventus (quartas) e Chelsea (semi) para conquistar a vaga também.

Batalha em Istambul

A festa na torcida era belíssima, muito colorida, dando a todos os amantes do futebol um aperitivo do que aconteceria naquela noite.

O famoso hino do Liverpool foi cantado, mostrando o apoio aos Reds. A torcida do Milan estava mais confiante, tamanha a constelação que o clube tinha em campo.

Os rossoneros chegavam como grandes favoritos pela qualidade de seus jogadores. E, logo no primeiro tempo, comprovou isso. Com um minuto de jogo, Maldini já abriu o placar após uma cobrança de falta de Pirlo – o capitão italiano pegou de primeira e venceu o goleiro do Dudek.

Era o gol mais rápido da história das finais da Liga dos Campeões da UEFA: 50 segundos. O gol mexeu com o Liverpool. O time estava sem rumo e piorou quando Smicer teve que entrar no lugar de Kewell, que havia se machucado.

Aos 38 minutos, Kaká, com uma das suas melhores habilidades, a velocidade, puxou um contra-ataque que terminou com o gol do argentino Crespo, e cinco minutos depois, Crespo, novamente, marcou o terceiro gol do Milan em cima do time inglês.

Era um baile. Os italianos faziam a festa. E teve término o primeiro tempo dos sonhos.

Getty Images

You’ll Never Walk Alone

A frase diz: “Você nunca andará sozinho”, e foi com ela que o time do Liverpool foi empurrado pela sua torcida, como nunca havia sido apoiado antes, ainda no intervalo.

A força dada àqueles jogadores parece ter invadido o vestiário do time inglês na mais apaixonada devoção a seu time.

Na volta ao campo, os jogadores do Milan estavam como estrelas prestes a dar autógrafos, com o ego cheio. Já o Liverpool vinha com sangue nos olhos, utilizando a sua torcida como trampolim para fazer história. Era praticamente impossível, mas, como disse Kaká anos depois, “foi uma coisa que só acontece na Champions League”.

Aos oito minutos de jogo, o eterno capitão Steven Gerrard marcou o gol que assustaria todos e exaltaria a força da torcida vermelha, que pegou fogo quando, dois minutos depois, Smicer, que havia entrado no primeiro tempo, chutou e contou com desvio para diminuir a distância impossível contra o Milan.

Quinze minutos do segundo tempo e a torcida dos Reds comemorava, vibrava e parecia não acreditar. Gerrard sofreu pênalti. Xabi Alonso pegou a bola, concentrou-se e bateu. Dida, o goleiro brasileiro especialista em penalidades, defendeu, mas o espanhol, no rebote, marcou o gol que entraria para a história do futebol mundial.

Em seis minutos, o time mais fraco, com muita garra, empatava o jogo. A partida continuou sem que nenhum dos times marcasse, apesar de Shevchenko ter duas vezes a bola do jogos e ver Dudek se fez muralha para defender. Após 120 minutos estonteantes e históricos, a final foi para pênaltis.

Alan Walter

A consagração de Dudek, o imortal

O goleiro polonês Jerzy Dudek recebeu um estímulo de Jamie Carragher, zagueiro do time inglês, ao ser comparado com Bruce Grobbelaar – goleiro do time na final da Liga de 1984, vencida também nos pênaltis sobre a Roma – para defender as cobranças.

O brasileiro Serginho foi o primeiro a bater. Na trave. Hamann foi contra o espetacular goleiro brasileiro Dida e converteu. O Liverpool saía na frente na disputa. Com um gingado à la brasileira, o goleiro europeu defendeu a cobrança do ídolo italiano Andrea Pirlo.

Cissé converteu para os Reds. Depois, Tomasson e Kaká fizeram para os rossoneros, e Smicer manteve os ingleses à frente, já que Riise havia desperdiçado sua cobrança.

Último pênalti. O craque ucraniano do Milan Shevchenko pegou a bola, ajeitou e bateu… E, com a defesa de Dudek, estava feita a história. O Liverpool era o campeão da competição europeia e vencedor do que foi chamado anos depois de “Milagre de Istambul”.

Nunca foi tão perceptível a importância da frase que estampa o emblema do time do Liverpool. Foi, claramente, um jogo de raça, torcida contra estrelas e nomes, em Istambul. Mas, se depender da torcida do Liverpool, o time sempre escutará: You’ll never walk alone.

LEAVE A REPLY