No início dos anos 2000, um menino ágil e ainda franzino emergia no futebol brasileiro com a camisa do Santos, sendo tratado como uma das principais promessas do país. O desequilibrante Robinho furava defesas com maestria e tinha o drible como seu dom.

Disputado pelos principais clubes do mundo, acertou sua transferência para o Real Madrid em 2005 e recebeu “apenas” a camisa 10. Nos merengues, conviveu ao lado de grandes craques e passou por altos e baixos.

Veja mais:
Dez jogadores que passaram pelo Manchester United e talvez você nem saiba
Por que um bombardeio em Manchester fez com que United e City dividissem o mesmo estádio?
10 jogadores que passaram pelo Leicester que talvez você nem saiba

Insatisfeito com a falta de maiores oportunidades e com a recusa do clube de disputar as Olimpíadas pelo Brasil, surpreendeu a imprensa ao convocar uma coletiva exigindo sua saída para o Chelsea.

“NÃO É POR CAUSA DE DINHEIRO, É APENAS PORQUE EU QUERO SAIR. MEU PRINCIPAL OBJETIVO É SER O MELHOR JOGADOR DO MUNDO E ISSO NÃO SERÁ POSSÍVEL AQUI NO REAL MADRID. EU ACHO QUE MEU TEMPO AQUI NO CLUBE ACABOU. EU ESPERO QUE A DIRETORIA CHEGUE A UM ACORDO COM O CHELSEA PARA EU RESOLVER A MINHA SITUAÇÃO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL”.

Quando estava tudo acertado entre Real Madrid e Chelsea, o Manchester City apareceu de intruso na jogada e acabou contratando o jogador no fechamento da janela. O acordo de quatro anos de contrato ocorreu no mesmo dia em que o grupo árabe de investimentos Abu Dhabi United Group comprou o clube.

Ao assinar com o Manchester City, cometeu uma gafe daquelas. “No último dia de transferências, o Chelsea fez uma grande proposta e eu aceitei”. Eis que um repórter corrige: “Você quis dizer Manchester City, né?”. Visivelmente sem graça, o Rei das Pedaladas devolveu: “Isso, Manchester City, desculpa”.

Técnico do Chelsea na época, Luiz Felipe Scolari não digeriu a forma como a negociação por Robinho foi interrompida pela entrada do City.

“Ele foi ludibriado, foi enrolado pelas pessoas que cercavam ele naquele momento.”, disse à ESPN Brasil.

Por vezes, o destino parece ser traçado por um ser de extremo bom humor. Por quê? A estreia de Robinho pelos Sky Blues foi justamente…contra o Chelsea. O time londrino venceu o duelo por 3 a 1, e o brasileiro deixou a sua marca em um belo gol de falta.

A partir daí, o Rei das Pedaladas emendou uma ótima sequência de gols e boas atuações, ajudando o time a vencer muitos jogos. Na segunda temporada, ficou fora dos gramados por três meses devido a uma lesão e acabou tendo números e apresentações abaixo do esperado. Frustrado, acabou acertando seu retorno ao Brasil para atuar no Santos.

Em entrevista à revista FourFourTwo na última semana, Robinho reiterou que gostaria de ter reforçado o Chelsea na época, explicou o que o impediu de jogar pelo time londrino, mas pontuou que foi muito feliz com a camisa do Manchester City.

Meu grande objetivo era ir para o Chelsea. Mas o Real Madrid não gostou do fato de eles venderam camisas com o meu nome antes do acerto. Tenho quase certeza que esse foi um dos principais fatores já que foi uma questão de orgulho do Real. Além disso, o clube não queria vender a um rival na Champions League. mas EU ME TRANSFERI PARA UM GRANDE CLUBE E ELES ME RECEBERAM DA MELHOR FORMA. EU TIVE UM ANO E MEIO DE FELICIDADE NO CITY, APESAR DA CIDADE DE MANCHESTER SER MUITO MAIS FRIA QUE MADRID”.

Klopp: “Guardiola é excepcional”

LEAVE A REPLY