Brighton Premier League
Os ventos vêm fortes do sul! (Reprodução/Facebook)

Em uma manhã de segunda feira (17) agitada na Inglaterra, o Brighton & Hove Albion acabou de garantir o tão sonhado retorno à elite do futebol inglês. Sim, os Seagulls estão de volta!

Situada na costa sul da Inglaterra, a cidade de Brighton and Hove, comumente conhecida apenas por Brighton, é um dos pontos de maior afluência de turistas e ingleses especialmente durante o verão. Sua praia formada por pedras e não por areia acaba sendo uma atração à parte. Fora o lindíssimo píer, que traz consigo muitas histórias e desperta a imaginação de adultos e crianças.

Brighton, que foi já palco de diversas gravações de filmes e séries, se tornou mais visível ao mundo após o filme Quadrophenia, originário do álbum homônimo do The Who. Grande parte do filme, que retrata o famoso e real episódio da briga entre mods e rockers, se passa em Brighton e pontos essenciais do charmoso município são mostrados a todos.

Cena de Quadrophenia com Jimmy (Phil Daniels) pensativo na praia de Brighton (Reprodução)

Brighton é inesquecível e, com certeza, se tornará ainda mais após a façanha do time de sua cidade. A volta à elite do futebol inglês já era ensaiada há anos. Após 34 anos os Seagulls tornarão a disputar a primeira divisão, sendo a primeira vez no formato de Premier League.

O clube foi fundado em 1901 e quando foi aceito pela Federação como time profissional, foi jogar a terceira divisão, onde permaneceu grande parte de sua história. Com altos e baixos em sua trajetória, o time já jogou a primeira divisão, mas também já amargou a quarta divisão quase decretando sua falência no fim dos anos 90.

Um dos pontos altos da biografia do clube se dá em 1983, quando ainda jogavam na elite e alcançaram a final da FA Cup contra o Manchester United. Em dois jogos, empataram o primeiro por 2 a 2 mas perderam no segundo jogo por melancólicos 4 a 0. Apesar da derrota, o povo da cidade se orgulha desse dia e até uma camisa daquele jogo está exposta no museu como forma de manter a memória muito viva.

Camisa usada na final da FA Cup contra o Manchester United exposta no Museu de Brighton. (Arquivo pessoal)

Com a promoção da equipe, é provável que na próxima temporada haja três times do sul da Inglaterra na Premier League, falamos de Southampton e Bournemouth que é bem possível que permaneça. Entretanto, por mais curioso que seja, o maior rival do Brighton não é uma equipe do sul da Inglaterra. Se confirmada a permanência do time, a próxima temporada nos reservará o M23 Derby, nome dado ao clássico entre Brighton e Crystal Palace (!).

M23 é o nome da estrada que liga Londres à costa sul do país. Por isso a nomenclatura sugestiva.

Sim, o maior rival da equipe do sul é uma equipe de Londres. A rivalidade data desde as décadas de 40 e 50, quando a história mostra que as equipes se enfrentaram 21 vezes em 12 anos, sendo um caso curioso em 1951 quando se enfrentaram na rodada do Natal e no Boxing Day!

Contudo, a rivalidade cresceu mesmo a partir da década de 70 quando Alan Mullery assumiu o comando do Brighton e Terry Venables virou técnico do Crystal Palace. Eram dois jovens treinadores que já haviam jogado juntos no Tottenham. Especula-se que a concorrência começou ali mesmo nos Spurs. Mullery foi eleito pelo técnico o capitão da equipe e Venables ficou como vice capitão, fato que para Mullery deixou o companheiro irritado. O relato é de que sempre houve respeito entre as partes, mas uma competição entre ambos surgia ali.

A missão dos dois agora técnicos era muito clara: tirar os clubes da incômoda terceira divisão e levar para a primeira. Não conseguiram chegar à elite, mas foram promovidos em 76/77 para a segundona. Na sua primeira temporada na segunda divisão, o ódio entre times se cristalizou, ganhando formas de drama pela própria competição entre treinadores.

Uma história curiosa afirma que em 75/76, quando ambos ainda estavam na terceira divisão, o Brighton foi visitar o Palace em Selhurst Park. Naquela época o clube do sul era conhecido como os Dolphins (os golfinhos). Ao ouvir a empolgada torcida da equipe de Londres gritando “Eagles, Eagles” (águias), os sulistas começaram a gritar “Seagulls, seagulls” (gaivotas), com objetivo de claramente colocar em um patamar de igualdade por se tratar de aves. O apelido caiu tão bem que poucos anos depois o próprio símbolo do Brighton foi trocado para uma gaivota, que permanece até hoje.

Quando ainda eram Dolphins e depois o atual logo com a gaivota (Reprodução)

Apenas esperamos que o Palace permaneça na Premier League para nos proporcionar esse encontro histórico entre equipes!

A corajosa equipe do Brighton já vinha ensaiando uma subida à elite há algum tempo e ela ocorreu agora. Eles foram campeões em 10/11 da terceira divisão e foram promovidos para a Championship. Ali fizeram uma boa primeira temporada e terminaram em 10º. Já na próxima, em 12/13 terminaram em 4º lugar e perderam a semifinal dos playoffs exatamente para o Crystal Palace. Na temporada seguinte perderam de novo no mata-mata para o Derby County. O certame de 14/15 foi o ponto fora da curva. Os Seagulls terminaram em 20º, sendo que o artilheiro da equipe marcou míseros 7 gols! Na temporada passada, tudo parecia ir bem até que terminaram em 3º lugar e só não subiram automaticamente por um diferença no saldo de DOIS gols! Ali perderam a semifinal para o Sheffield Wednesday e amargaram mais um ano na Championship.

A linda festa com jogadores e a torcida invadindo o campo (Reprodução/Twitter)

Esse ano, porém, o bravo time do sul conseguiu a tão sonhada vaga! E foi com muita classe e autoridade. Até o atual momento foram 22 jogos em casa, contando com 17 vitórias, 3 empates e apenas 2 derrotas. Ah, e o que falar da casa deles? O lindíssimo Falmer Stadium, é uma arena moderna, com capacidade para cerca de 30 mil fanáticos por futebol, mas sem perder o clima aconchegante dos estádios ingleses. Patrocinado pela American Express, a casa leva o nome da empresa e recebe bons investimentos.

Chris Hughton é o responsável por essa linda façanha. O técnico inglês de 58 anos, mostrou seu potencial e atendeu às expectativas, com um time que marca muitos gols (73, quarto melhor ataque) e toma poucos (38, melhor defesa). Muito do sucesso se deve ao bom goleiro Stockdale, que entrou em todas as listas dos melhores da temporada. Além de, obviamente, Anthony Knockaert, ponta veloz, driblador e que acabou de ganhar o prêmio de Melhor Jogador da Championship da temporada.

O homem da vez: Chris Hughton! (Reprodução)

A partir de agosto, Brighton estará ainda mais em foco no mundo devido ao estabelecimento de uma nova potência no cenário da primeira divisão. Os torcedores apaixonados poderão ver estrelas pisando em seu gramado quase que constantemente e nós teremos toda a emoção em ver uma equipe voltar à elite do campeonato 34 anos depois.

SHARE

Paulistano, 25 anos, estudante de Jornalismo na FAPCOM e apaixonado pela Premier League.

1 COMMENT

  1. Que historia linda! E como o mundo da voltas.. O Knockaert é o mesmo ques perdeu o penálti decisivo diante o Watford, jogando pelo Leicester, ele erra e logo no lance seguinte o Deeney faz o gol q classificaria o Watford para a final dos Playoffs diante do Crystal Palace em Wembley.

LEAVE A REPLY