Recentemente estive de férias em Liverpool, e aproveitei para fazer o Anfield Tour, um passeio por um dos mais emblemáticos estádios do futebol europeu. Esse passeio custa 20 libras (algo em torno de 85 reais), mas com um cartão de estudante internacional você pode conseguir algum desconto.

Os carismáticos guias que me acompanharam foram Jill, uma senhora baixinha com os cabelos vermelhos, e Steven D, um senhor alto com um sotaque bastante carregado e brincalhão: “Sou o Steven D do Liverpool, e não o Steven G”, falou, em alusão ao ídolo do clube, Gerrard.

O passeio começa na arquibancada. Subimos vários lances de escada até o ponto mais alto de Anfield: a nova Main Stand, seção da arquibancada inaugurada na última temporada.

De lá, dá pra se ter uma visão espetacular do estádio. Às quatro da tarde, horário próximo ao pôr do sol no outono britânico, a imagem fica ainda mais bonita.

Memorial

Antes de chegar à arquibancada de fato, há um corredor com alguns painéis bem grandes. Nesses painéis, estão fotos de managers históricos dos Reds: Bill Shankly, Bob Paisley, Kenny Dalglish, Gérard Houllier e Rafa Benítez – os nomes que trouxeram títulos e reconhecimento internacional ao Liverpool.

Até hoje, os Reds são os maiores detentores de Ligas dos Campeões da Europa na Inglaterra: são cinco ao todo. Contando os títulos da Copa e da Supercopa da UEFA, o Liverpool chega à marca de 11 taças continentais.

Vista para o rival

Das janelas da nova arquibancada, é possível ver Goodison Park, a casa do rival Everton. O vidro é coberto por esferas vermelhas. Jill conta que a decoração foi ideia de um dos arquitetos da nova Main Stand e que pode causar estranhamento a princípio, mas “pelo menos deixa o Everton coberto de manchas vermelhas”.

Som da Arquibancada

Depois, descemos ao gramado e ao banco de reservas onde fica Jürgen Klopp. A nova cobertura do estádio chega até uma boa parte do gramado, mas a função dela não é proteger os fãs da chuva.

“Na verdade”, conta Steven D, “a nova cobertura é grande, mas não protege da chuva. Vocês já devem ter visto nos jogos na televisão que o próprio Klopp fica encharcado quando chove. O propósito maior da cobertura é a acústica. Ela foi desenhada de maneira que o som feito pelos torcedores se amplifique e seja direcionado diretamente ao gramado. Isso aumenta a atmosfera do estádio”.

Vestiário visitante: “armadilhas” e homenagens

Após conhecer a arquibancada e o gramado, vamos para as salas de imprensa e os vestiários. No vestiário visitante, uma série de “artimanhas” são mostradas.

Os guias contam os detalhes que transformam Anfield em um lugar mais chato para os times adversários. O teto do vestiário é mais baixo em relação ao do Liverpool, causando uma sensação de maior pressão nos jogadores dos outros times.

Entre os bancos e as paredes, existe um espaço vazio grande o suficiente para que os atletas adversários não consigam encostar na parede e relaxar completamente durante o intervalo. O chão é polido e os jogadores precisam tirar as chuteiras para andarem sem o risco de escorregar.

Também existe a pressão psicológica. A saída do vestiário visitante é por um corredor revestido de paineis históricos do Liverpool. Jill explica: “Quem vem jogar aqui é lembrado, antes de entrar em campo, da história do Liverpool. Eles são lembrados que estão na casa de um clube cinco vezes campeão da Champions League e 18 vezes campeão inglês”.

Mas não é só “armadilhas” que encontramos no vestiário visitante. Também há homenagens. Em dias de visitas, uma seleção de camisas é exposta, montando um supertime de atletas que já enfrentaram o Liverpool em Anfield. Camisas usadas por Buffon, Cafu, Desailly, Cannavaro, Ashley Cole, Xavi, Roy Keane, Iniesta, Cristiano Ronaldo, Messi e Henry ficam penduradas, compondo uma espécie de “time dos sonhos” dos adversários.

Lealdade e sucesso: o reinado de Bob Paisley no Liverpool

Já no vestiário do Liverpool, a história é outra: teto mais alto, o ambiente amplo e bem acabado, um chão à prova de escorregões e assentos confortáveis. No centro, uma mesa com um buraco no meio.

“Essa mesa”, explica Jill, “foi um pedido de Klopp quando ele chegou ao clube. Ele tinha uma no Borussia Dortmund e quis uma aqui também”.

No buraco da mesa, os jogadores colocam as camisetas, calções e meiões usados. Isso serve para ensinar disciplina e para evitar o risco de alguém se machucar escorregando em alguma camisa. Além disso, a mesa é onde os jogadores se reúnem antes da partida. Ela é disposta de maneira que todos sejam capazes de se enxergar e conversar olhando uns para os outros.

This is Anfield

A famosa placa é uma das atrações do tour. Todos os participantes do passeio têm a chance de tirar uma foto tocando o ícone do estádio. Historicamente, esse é um privilégio exclusivo de jogadores do Liverpool, mas o acesso ao letreiro “This is Anfield” ficou ainda mais restrito.

Jürgen Klopp proibiu todos os jogadores do Liverpool de tocarem a placa sem ter conquistado algum título pelo clube. Steven D explica: “para o Klopp, é preciso ganhar a honra de tocar no sinal. É um verdadeiro privilégio que deve ser conquistado. Para ele, apenas quando o jogador conquistar um troféu para o Liverpool ele ganha esse direito. Dessa forma, somente o Jordan (Henderson) pode tocar a placa”.

Mais fotos

O famoso brasão nos portões de Anfield

A sala de imprensa onde Klopp concede suas coletivas

Saguão de entrada das arquibancadas. A madeira das primeiras arquibancadas do estádio foram reutilizadas como decoração, na intenção de preservar as raízes de Anfield.

Túnel de acesso dos jogadores para o gramado

Conheça Ian Rush, o maior artilheiro da história do Liverpool

SHARE
https://twitter.com/felipealtarugio

LEAVE A REPLY