“Alô, Graeme Souness? Oi, aqui é o George Weah, vencedor do prêmio Bola de Ouro do ano passado. Bem, meu primo Ali Dia é jogador de futebol, atuou no Paris Saint-Germain e já jogou 13 vezes pela seleção de Senegal. Estaria interessado no futebol dele?”.

Foram com essas mentiras que Ali Dia, se passando pelo craque Weah, convenceu o técnico do Southampton em novembro de 1996 em uma ligação por telefone a assinar um contrato de um mês com ele.

LEIA MAIS:

Quanto custa patrocinar um clube da Premier League?
Fernandinho: mais que um primeiro volante
A Inglaterra vai brilhar na Europa novamente

Dia só havia atuado em equipes amadoras da França e da Inglaterra, não tinha nenhum parentesco com Weah, e sequer atuou pela seleção de seu país, mas conseguiu, por pouco tempo, atuar em uma equipe da Premier League.

Dia estava escalado para atuar em uma partida contra o Arsenal envolvendo apenas jogadores reservas, mas o mau tempo alagou o gramado e impediu a realização do jogo. Então, no dia 23 de novembro de 1996, ele foi relacionado para a partida entre Southampton e Leeds, pela Premier League.

Ainda no primeiro tempo, o ídolo dos Saints Matt Le Tissier sentiu uma lesão e precisou ser substituído. E quem entrou em campo? Ele mesmo: Ali Dia, que pouco fez em campo e voltou para o banco de reservas nos minutos finais da partida. O jogador ainda conseguiu chutar a gol, obrigando o goleiro adversário a espalmar a bola para fora.

Le Tissier descreveu a atuação de Ali Dia naquela partida de forma bem peculiar.

“Ele correu no campo como o Bambi no gelo. Foi vergonhoso. Eu só treinei com ele uma vez, na véspera da partida contra o Leeds. Eu lembro de olhar para ele com a bola e pensar: “Ele não é muito bom”.

É difícil julgar em um treino, mas você consegue ver o controle de bola do jogador ou se ele se movimenta bem no campo. Ele não mostrou nada disso. Quando eu vi o nome dele na lista de relacionados, eu fiquei surpreso. Acho que o elenco todo ficou de queixo caído.

A atuação dele foi quase hilária. Ele me substituiu, mas não sabia em que parte do campo deveria ficar. No final do jogo, ele foi substituído porque era muito ruim. Só dias depois ficamos sabendo da história e foi vergonhoso. No geral, ele deve ter sido o pior jogador com quem atuei na minha carreira”, disse ao Guardian.

Depois da partida, as dúvidas quanto à capacidade de Ali Dia fizeram com que o técnico Graeme Souness ligasse para George Weah. O então vencedor do Prêmio Fifa de Melhor Jogador do Mundo se surpreendeu com a história e negou qualquer relação de parentesco com Dia.

Duas semanas depois de assinar contrato com os Saints, Ali Dia foi dispensado pela diretoria, mas sua história se tornou uma das mais inacreditáveis do futebol inglês.

SHARE

Ex-Esporte Interativo, formado em Jornalismo e Sociologia e apaixonado pela Premier League.
Twitter: @pedrohnramos

LEAVE A REPLY