As movimentações da janela de transferências de janeiro estão apenas começando, mas os clubes da Premier League já estão atentos e muitos já fecharam alguns negócios importantes.

Apesar da preferência dos clubes de maior porte pelos melhores jogadores possíveis, é válido buscar algumas opções interessantes, principalmente quando estes atuam no mesmo país, mais especificamente na Championship.

O site The Guardian listou sete jogadores que estão se destacando no segundo escalão inglês e que poderiam reforçar os clubes da divisão de elite. Confira!

Barry Douglas – Wolverhampton

Barry Douglas será um jogador da Premier League em breve, mas suas apresentações nesta temporada mostram que ele está pronto para fazer a transição agora.

Uma das aquisições de menor apelo do clube no verão, o escocês chegou do Konyaspor, onde passou uma temporada após um período no Lech Poznan. Sua saída para a ala esquerda ajudou a transformar os Lobos em líderes da liga.

Aos 28 anos, ele permanece sem oportunidades na seleção escocesa, mas isso deverá mudar rapidamente. Ele acumula quatro gols e oito assistências em 19 aparições na liga nesta temporada.

Sua entrega na parte ofensiva tem sido excelente e ele também não se esquiva de suas responsabilidades na defesa, efetuando mais desarmes do que qualquer um de seus companheiros de equipe.

Foto: Site oficial do Wolverhampton

Joe Bryan – Bristol City

O jogador de 24 anos tem sido igualmente eficaz na lateral e meia esquerda nesta temporada. Ele é tenaz na defesa, ocupando o quinto lugar no campeonato em desarmes por jogo (3.1), e tem sido a chave para a abordagem ofensiva da equipe.

Avançando sempre que possível, o versátil atleta formado pelo clube tem uma média de 1,4 dribles e 1,2 chutes por jogo.

Foto: Dougie Allward/JMP

James Chester – Aston Villa

Alguns defensores demoram mais do que outros para alcançar seu potencial total, embora talvez James Chester não tenha tido uma oportunidade adequada para mostrar o que ele poderia fazer no início de sua carreira, particularmente no West Brom.

Os Baggies o contrataram por 8 milhões de libras em 2015, mas lhe deram apenas nove começos como titular – e nenhuma em sua favorita posição central. Ele provou o quão capaz era representando a seleção galesa na Euro 2016, levando dessa forma o Aston Villa a pagar apenas pouco mais de £8 milhões na sua aquisição.

Chester tem sido um pilar na defesa, não só jogando todos os jogos da liga, mas cada minuto também. Ele foi nomeado capitão quando Steve Bruce se tornou técnico do Aston Villa, mas desde então renunciou a John Terry, embora ele tenha sido tão impressionante quanto o ex-capitão da Inglaterra, se não mais.

Ele não cometeu um único erro que pudesse gerar um gol contra os Villans, enquanto se classifica entre os cinco melhores jogadores no campeonato em precisão no passe (88%) e nas interceptações (215) nesta temporada.

Foto: Site oficial do Aston Villa

LEIA MAIS:

Léo Bonatini: o desconhecido brasileiro que brilha na Championship
Time da propriedade da “Classe de 92” sonha em subir à 5ª divisão
1998/99: a temporada em que o City, na terceirona, viu o United ganhar tudo

James Maddison – Norwich City

Vindo do Coventry há dois anos, James Maddison aguardou muito tempo para estrear nos canários, visto que antes foi emprestado ao Aberdeen.

Ele iniciou sua saga no time como um substituto aos 79 minutos contra o Preston em abril passado e não demorou para mostrar sua qualidade, marcando nos acréscimos na vitória por 3 a 1. Mas nesta temporada ele tem brilhado ainda mais sob a tutela do alemão Daniel Farke.

Com apenas 21 anos, Maddison lidera o campeonato em passes-chave por jogo (2,7) e no número de vezes que ele é desarmado em falta (3,8), o que é um indicador que mostra o quanto ele é ameaçador para as defesas adversárias.

O playmaker se destaca no papel de número 10, marcando seis gols – incluindo alguns verdadeiramente memoráveis ​​- e “assistenciando” em cinco oportunidades.

Foto: Chapl/ProSports/Rex/Shutt

Ryan Sessegnon – Fulham

O Manchester United, o Tottenham e o Real Madrid manifestaram interesse em Ryan Sessegnon, mas o jovem de 17 anos ainda está no Fulham. O time do sérvio Slavisa Jokanovic começou lentamente nesta temporada, mas melhorou ultimamente.

Se o tradicional clube alcançar os playoffs, eles certamente terão uma dívida de agradecimento à sua joia de 17 anos.

Sua ameaça no terço final do campo chama a atenção, com sete gols e quatro assistências nesta temporada. Ele geralmente joga pelo lado esquerdo, mas pode ser adaptado para um papel mais à frente.

O tempo está ao seu lado para aprimorar suas habilidades em uma variedade de papéis. Sua versatilidade só aumentará seu valor quando a inevitável transferência acontecer.

Foto: BPI

Diogo Jota – Wolverhampton

Assim como Barry Douglas, é provável que Diogo Jota seja um jogador da Premier League na próxima temporada – se o Wolves puder acertar um acordo permanente com seu clube de origem, Atlético Madrid. O extremo português foi uma revelação desde a sua chegada ao time, iniciando cada jogo de liga até agora e contribuindo com 11 gols e quatro assistências.

Foto: Getty

Ollie Watkins – Brentford

O único jogador a classificar-se entre os 10 melhores da liga em dribles (65, quinto), passes-chave (54, terceiro) e chutes (83, primeiro), Ollie Watkins foi trazido para a Championship com facilidade: custou apenas £1,8m para o Brentford, vindo do Exeter City. Seu valor obviamente aumentou nos últimos seis meses.

O Winger de 22 anos iniciou 21 de suas 25 aparições na liga até agora nesta temporada, tendo feito sete gols e três assistências.

Esses números são um pouco baixos, considerando quantas chances ele cria e desperdiça, o que sugere que ele ainda precisa melhorar na conclusão final, mas Watkins tem todas as ferramentas para se tornar um jogador de topo.

Ele é rápido, forte, tem visão ao passar a bola e entrega muita profundidade, por isso pode não estar com o modesto time por muito tempo.

Foto: Rex Features
SHARE
Defensor assíduo do futebol inglês

LEAVE A REPLY